Última hora

Última hora

Salão de Detroit abre em clima de declínio para indústria americana

Em leitura:

Salão de Detroit abre em clima de declínio para indústria americana

Tamanho do texto Aa Aa

O primeiro salão automóvel do ano está de portas abertas em Detroit, capital norte-americana do sector, com nota positiva para a General Motors, isto apesar da crise das construtoras americanas. O peso-pesado da indústria automóvel dos Estados Unidos ganhou os prémios para o carro e a pick-up do ano depois de, em 2006, quase ter perdido o título de número um mundial para a Toyota.

Para as chamadas “três grandes”, o ano que passou foi de queda no volume de vendas. A GM vendeu quatro milhões de carros, um número a caír 8,8%. A Ford teve uma queda de 8%, ao vender 2,7 milhões, enquanto a Chrysler e a Dodge, marcas americanas do grupo DaimlerChrysler, venderam menos 7%.

As construtoras japonesas estão a ganhar cada vez mais mercado. Neste salão, estiveram em destaque, organizando grandes espectáculos para a apresentação dos novos modelos. Já a BMW apresentou o novo modelo da Rolls Royce, o segundo desde que a construtora alemã comprou a mítica marca de luxo.

Um luxo que está a ganhar novos clientes no globo, como explica o presidente da filial, Ian Robertson: “Olhando para os nossos mercados em 2006, os Estados Unidos continuam a ser o principal mercado. A Grã-Bretanha reforçou a posição de núemero dois, mas a Ásia teve uma importãncia estratégica enorme. A China ultrapassou o Japão como terceiro maior mercado, com as vendas a crescer 60%”.

As marcas europeias estão a crescer nos Estados Unidos. A Mercedes apresenta aqui o novo descapotável Ocean Drive. Muito presentes no evento este ano estão também os automóveis que apresentam uma alternativa à gasolina, desde os carros a gasóleo até aos que utilizam energias alternativas.