Última hora

Última hora

Monarquia belga alvo dos secessionistas

Em leitura:

Monarquia belga alvo dos secessionistas

Tamanho do texto Aa Aa

O príncipe Laurent foi convocado pela justiça belga para testemunhar num processo, o que é uma estreia na história da Bélgica. Apesar da sua pessoa não ser posta em causa, o escândalo embaraça a Coroa, porque só o rei beneficia de imunidade.

O filho mais novo de Alberto II, rei dos belgas, apresentou-se esta manhã no Tribunal de Hasselt, na região flamenga, para responder num processo de desvio de fundos na Marinha da Bélgica, que remonta aos anos 90.

O próprio príncipe terá beneficiado dos fundos.

O jornalista flamengo que revelou os factos, José Machelin, afirma “ter posto em causa o estado de direito, é tudo, o que é bom para toda a gente”.

O que denunciam os apoiantes do modelo federalista, do qual a monarquia é o pilar, é que este escândalo serve apenas fins políticos. A monarquia belga tem sido o alvo de vários partidos pró-flamengos que reclamam a autonomia. A poucos meses das lesgislativas e em pleno debate sobre a unidade do país, este escândalo é visto como uma manobra contra o Estado pelo governo.

A ministra belga da Justiça, Laurette Onkelinx, afirma que “há alguns, nomeadamente no norte do país que aproveitam este processo judicial para falar da monarquia e através da monarquia da unidade da Bélgica; isso já começou e vai mesmo haver intervenções parlamentares sobre o assunto”.

Este caso também trouxe à tona de água a questão do subsídio anual acordado aos membros da Família Real. O príncipe Laurent, apesar de ser o 11° membro da família na sucessão ao trono, recebe, anualmente, 275 mil euros livres de impostos. O que tem alimentado as sátiras e os partidos flamengos denunciam.

O chefe do Governo flamengo, Yves Leterme, é contra a dotação da Família Real, claro. Diz que é a favor de uma dotação acordada ao rei, ao príncipe herdeiro ou à viúva do Rei Balduíno. “Quanto ao resto, os homens devem trabalhar, sejam eles príncipes ou membros da família real”.

Resta dizer que ele é um defensor incontestável da independência da Flandres, o que é mau para a monarquia belga.