Última hora

Última hora

Europa perde terreno para os E.U.A em matéria de investigação

Em leitura:

Europa perde terreno para os E.U.A em matéria de investigação

Europa perde terreno para os E.U.A em matéria de investigação
Tamanho do texto Aa Aa

Um terço da actividade científica mundial é desenvolvida nos Estados Unidos. Um estudo elaborado pela Unesco, em 2005, revela que os americanos ganham pontos em áreas como a física, química, medicina e economia.

Em 2006, o prémio Nobel da Física foi atribuído a dois investigadores americanos. Mas John Mather e George Smoot são apenas dois dos nomes que, nos últimos anos, colocaram a América no ranking dos prémios Nobel.

Senão vejamos: entre 1966 e 2006, os Estados Unidos surgem com 216 laureados.
O Japão aparece em sétimo lugar com cinco prémios Nobel, mais um que o Canadá. A Austrália surge no final da lista com apenas dois laureados. A coordenação das equipas de trabalho tem sido determinante para a obtenção destes resultados.

A concorrência internacional tem colocado a Europa num plano secundário em matéria de pesquisa e desenvolvimento, sobretudo, em áreas emergentes como a biotecnologia.

No que toca ao investimento, é a América do Norte quem mais gasta em desenvolvimento e pesquisa científica: 37% dos investimentos são americanos contra, apenas, 27% dos europeus, terceiros na tabela batidos, também, pela Ásia.

Com a globalização surgem novas oportunidades, mas também novos desafios. Os jovens investigadores procuram novos países para desenvolver as suas pesquisas.

Em 2004, em sinal de protesto, centenas de investigadores manifestaram-se, em França, para reivindicarem melhores condições de trabalho, que permitam o regresso, ao país de origem, dos colegas que se encontram no estrangeiro.