Última hora

Última hora

Mauritânia obrigada a segunda volta para conhecer presidente

Em leitura:

Mauritânia obrigada a segunda volta para conhecer presidente

Tamanho do texto Aa Aa

Na Mauritânia haverá, pela primeira vez, uma segunda volta das eleições presidenciais, pois nenhum dos 19 candidatos obteve, ontem, 50% dos votos. A votação decorrerá a 25 de Março e vai opor Sidi Mohamed Ould Cheik Abdallahi, um ex-ministro e importante figura do antigo regime presidencial, a Ahmed Ould Daddah, um veterano da oposição e ex-governador do Banco Central.

Tal como prometeu, o líder da junta militar, no comando há 19 meses, o coronel Ely Ould Mohamed Vall passa o poder os civis. Desde a independência da França, em 1960, multiplicaram-se os golpes de Estado e as eleições fraudulentas. Sessenta por cento de um milhão e cem mil eleitores foram às urnas num país desértico do Sahara em recuperação económica mas suspeito de ser uma base da al-Qaeda. Registou-se um ataque à missão de observadores europeus. Morreu um dos seguranças.