Última hora

Última hora

Imigração e economia dominam campanha para as presidenciais francesas

Em leitura:

Imigração e economia dominam campanha para as presidenciais francesas

Tamanho do texto Aa Aa

A Polémica continua a ser a melhor estratégia de campanha para o candidato conservador às presidenciais francesas. Num novo piscar de olhos ao eleitorado de extrema-direita, Nicolas Sarkozy propôs há dias a criação de um ministério encarregue da imigração e da defesa da identidade nacional.

Ontem clarificou a proposta, afirmando que “não considera chocante obrigar os imigrantes em França a aceitar um certo número de princípios incontornáveis, como a igualdade entre homens e mulheres ou a separação entre espiritual e temporal”.

Sarkozy introduz assim o tema da imigração na campanha, a quase seis semanas das eleições, permitindo que o seu rival ao centro, François Bayrou se apresente uma vez mais como o fiel da balança no combate de décadas entre direita e esquerda.

Um bipolarismo que, segundo as sondagens, é considerado responsável pela situação negativa do país para seis em cada dez franceses.

Acolhido com um banho de multidão no subúrbio de Saint Denis em Paris, onde nem as propostas nem a presença de Sarkozy são bem vindas, Bayrou afirmou que, “não se pode misturar imigração e identidade nacional e que a identidade nacional não é um campo de acção de um ministério, mas de toda uma república”.

No entanto, segundo as sondagens é a situação económica que mais preocupa o eleitorado.

A candidata socialista, Segolene Royal, propôs ontem o que chama de “compromisso social entre empresas e trabalhadores para recuperar a economia, combatendo o desemprego e aumentando os salários”.

O debate entre os três candidatos favoritos, segundo as sondagens, contrasta com a dificuldade dos pequenos candidatos em recolher as 500 assinaturas de políticos eleitos que permitem o acesso à corrida eleitoral.

O candidato populista Phillipe de Villiers validou ontem a sua candidatura. Falta agora saber se a extrema-direita de Le Pen, o altermundialista Jose Bove, e a extrema esquerda de Olivier Besançenot conseguirão fazer o mesmo até à data limite de sexta-feira.