Última hora

Última hora

Crise ucraniana vai-se arrastando

Em leitura:

Crise ucraniana vai-se arrastando

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente e o primeiro-ministro da Ucrânia, em lados opostos da barricada, reuniram-se esta terça-feira mas, no final, persistiam as diferenças de ponto de vista.

Vitor Yushenko explicou as razões que o levaram a a dissolver o parlamento e a convocar novas eleições, para 27 de Maio.

Mas o primeiro-ministro Victor Yanukovich refutou-as. Diz que vai contestar a decisâo presidencial, junto do Tribunal Constitucional, pedindo mesmo a respectiva anulação.

Yanukovich esteve também no Parlamento e, perante os deputados, manteve a linha de constestação ao presidente.

Esta pretensão foi igualmente sustentada por 53 deputados que assinaram uma petição ao orgão de fiscalização constitucional, requerendo a nulidade do decreto presidencial.

Yushenko não está completamente isolado. A antiga primeira-ministra, Ioulia Timochenko, apoia o presidente, contra as forças geralmente conoctadas com a Rússia.

A mobilizaçâo popular já começou, as ruas de Kiev estão agora cheias de bandeiras vermelhas e azuis.

As bandeiras laranja ainda não apareceram, mas mesmo assim a Casa Branca já falou de expectro de guerra civil e pediu calma às forças em presença. Pedido também subscrito por Moscovo e Bruxelas.

Se a Ucrânia for às urnas, serão as quartas eleições, no curto espaço de dois anos.