Última hora

Última hora

Marinheiros britânicos falam à imprensa

Em leitura:

Marinheiros britânicos falam à imprensa

Tamanho do texto Aa Aa

Depois de interrogados por responsáveis militares e pelos serviços secretos britânicos, os membros da Royal Navy recentemente libertados pelo Irão revelaram à imprensa os pormenores da detenção. Após reafirmarem nunca ter saído das águas territorias iraquianas, os militares descreveram os momentos difíceis sob custódia iraniana.

O capitão Chris Air declarou que “Estamos conscientes de que muita gente pergunta em primeiro lugar porque é que nos deixámos apanhar e poque é que permitimos que as autoridades iranianas nos mostrassem na televisão. Que fique absolutamente claro: desde o início foi bastante evidente que resistir no era uma opção”, disse.

“Fomos vendados, prenderam-nos as mãos, e encostaram-nos à parede. Durante o nosso cativeiro enfrentámos uma pressão psicológica constante”, afirmou por seu lado o tenente Felix Carman. Os marinheiros denunciaram o tratamento “especial” dispensado à única mulher do grupo e acusam os iranianos de terem utlizado Faye Turney como instrumento de propaganda.

Teerão, que afirma ter libertado os marinheiros num gesto de boa fé, continua a manter que os militares foram capturados em águas iranianas. Os Estados Unidos também condenaram o tratamento dispensado aos marinheiros e fuzileiros britânicos. A Casa Branca considerou infeliz e despropositada a forma como as autoridades lidaram com os 15 marinheiros capturados a 23 de Março nas águas do Golfo.

“Fomos vendados, prenderam-nos as mãos, e encostaram-nos à parede. Durante o nosso cativeiro enfrentámos uma pressão psicológica constante”.

Os marineiros denunciaram o tratamento especial dispensado à única mulher do grupo e acusam os iranianos de terem utlizado Faye Turney como instrumento de propaganda.

Teerão, que afirma ter libertado os marinheiros num gesto de boa fé, continua a manter que os militares foram capturados em águas iranianas.

Os Estados Unidos também condenaram o tratamento dispensado aos marinheiros e fuzileiros britânicos.

A Casa Branca considerou infeliz e despropositada a forma como as autoridades lidaram com os 15 marinheiros capturados a 23 de Março nas águas do Golfo.