Última hora

Última hora

Sarkozy e Royal batem-se pela presidência francesa

Em leitura:

Sarkozy e Royal batem-se pela presidência francesa

Tamanho do texto Aa Aa

Os franceses escolheram este domingo os dois candidatos à segunda volta das presidenciais. Sem surpresas, Nicolas Sarkozy e Ségolène Royal seguem na corrida ao Eliseu. É entre eles que os eleitores vão ter que decidir no próximo dia 6 de Maio.

O candiato do UMP venceu esta primeira volta, com mais de 30% dos votos, a candidata socialista alcançou mais de 25%, o líder centrista, François Bayrou, ficou em terceiro lugar e Jean Marie Le Pen foi o quarto na escolha dos franceses.

Dos candidatos da esquerda, só Olivier Besancenot melhorou os resultados de há cinco anos; todos os outros fizeram pior. Na candidatura do adeus, Arlette Laguiller quase fez desaparecer a “Luta Operária” e Marie-George Buffet o Partido Comunista Francês. Razões para se preocupar tem também a candidata de “Os Verdes”, o partido teve um dos piores resultados com a ex-ministra Dominique Voynet.

Nicolas Sarkozy foi o primeiro dos dois candidatos presentes na segunda volta a reagir às projecções. O líder do UMP fez um discurso onde elogiou a afluência às urnas, por parte dos franceses e apelou ao debate entre duas ideias da nação.

“Os franceses exprimiram a sua vontade de não deixar que ninguém decida em seu lugar. Colocando-me no primeiro lugar e madame Royal na segunda posição, exprimiram claramente o seu desejo de avançar neste debate entre duas ideias de nação, dois projectos de sociadade, dois sistemas de valor e duas concepções da política”, afirmou.

Nicolas Sarkozy deixou a sede de campanha numa dinâmica presidencialista. O candidato da UMP, ex-ministro do Interior do ainda presidente Jacques Chirac teve duas boas razões para estar satisfeito esta noite. Ganhou a primeira volta das presidenciais e, a acreditar em duas sondagens já divulgadas, ganhará também a segunda.

Para já faltam duas semanas de campanha. Veremos qual dos dois candidatos é mais convincente. É grande a expectativa sobre os conselhos de voto de Bayrou e Le Pen.