Última hora

Última hora

Abdullah Gul defende modernização e islamismo político

Em leitura:

Abdullah Gul defende modernização e islamismo político

Tamanho do texto Aa Aa

Abdullah Gul é o braço direito do primeiro ministro Recep Tayip Erdogan. Nas legislativas de 2002, os dois festejaram a vitória alcançada pelo AKP, mas as orientações islâmicas do partido da Justiça e do Desenvolvimento agitaram os ânimos políticos do país.

A crise económica e a corrupção derrotaram os partidos tradicionais. No entanto, as raízes islâmicas do AKP e a uma antiga condenação de incitamento ao ódio religioso impedem Erdogan de se tornar primeiro- ministro. Razão pela qual e durante cinco meses, o cargo é exercido por Abdullah Gulé. Após este período, Erdogan reassume o poder depois de ser eleito em legislativas parciais.

Abdulllah Gul torna-se, então, ministro dos Negócios Estrangeiros. Durante quatro anos, trabalha em dossiers difíceis como as negociações com a União Europeia e a questão Chipriota. Economista de formação e douturado na Grã-Bretanha é, também, um teórico da linguagem pro-ocidental do Partido da Justiça e do Desenvolvimento, procurando, associar modernização e islamismo político. “Um país com uma identidade mulçulmana pode ser democràtico e transparente num mundo moderno e nós vamos provar que isso é possivel”, afirma.

Abdullah Gul foi vàrias vezes deputado pelo Refah, o primeiro partido islamista a chegar ao poder na Turquia, entretanto, dissolvido. Depois representou partido da Virtude e é um dos fundadores do AKP. Em Abril, milhares de pessoas saíram às ruas de Ancara para protestar contra uma possível candidatura de Erdogan, alegando que a Turquia deveria permanecer um Estado laico e secular, segundo o estabelecido em 1923 pelo criador do país, Mustafa Kemal Ataturk.