Última hora

Última hora

O outro lado de Yeltsin

Em leitura:

O outro lado de Yeltsin

Tamanho do texto Aa Aa

Terapia de choque: desta forma ficam na memória os anos de governação de Yeltsin. Os seus apoiantes recordam os esforços em prol de uma Rússia democrática, os analistas políticos sustentam que a presidência do chefe de Estado russo fica marcada pelo emprobrecimento da população e pelo aparecimento de oligarquias.

Pavel Felgenhauer considera, que “muitas pessoas vão recordar Yeltsin pelos caóticos anos 90, pelas dificuldades económicas, pela inflação galopante e pela crise financeira das oligarquias que despedaçaram a Rússia”

Assim que Yeltsin sobe ao poder institui a economia de mercado. Um gesto que agrada a Washington e ao Fundo Monetário Internacional. Mas continuam a faltar os emprendedores, o capital e todo o enquadramento jurídico. Nomes como Berezovski, Khodorkovski ou Goussinski constroem impérios e arrecadam fortunas gigantestecas, que fazem deles mais ricos que o próprio presidente. Sem eles Yeltsin não é nada. Sem Yeltsin eles nada podiam. Mas juntos tudo era diferente. Eles foram responsáveis pela fundação de bancos, jornais e televisões.

Em 1996, numa entrevista ao Financial Times, Boris Berezovski revelou que um grupo de sete banqueiros, que na altura controlava a economia russa, assegurou a reeleição do chefe de Estado. Enquanto isso, o povo via-se confrontado com uma situação económica que ia de mal a pior.

A crise financeira de Agosto de 1998 é a gota de água na carreira política de Boris Yeltsin. O Kremlin vê-se forçado a desvalorizar o rublo e a suspender o pagamento de algumas dívidas semeando o pânico não só entre os russos como também nos meios financeiros ocidentais.

Mas quem governa a Russia nesta altura? Ao que tudo indica, o poder era orquestrado pela filha do chefe de Estado, Tatiana Yeltsin, sob alçada do pai. É neste contexto e na necessidade de reconquistar o poder que se inicia a caça a um potencial “delfim”. Uma figura capaz de preservar os interesses dos oligarcas com a saída de Yeltsin e este homem seria Vladimir Putin.

No último dia de 1999, Yeltsin cede o poder ao actual chefe de Estado iniciando, assim, uma nova era. Mas antes foi assinado de um acordo concedendo imunidade ao antigo chefe de Estado e à sua família.