Última hora

Última hora

Dia histórico na Irlanda do Norte

Em leitura:

Dia histórico na Irlanda do Norte

Tamanho do texto Aa Aa

Os antigos inimigos na Irlanda do Norte partilham agora o executivo que vai governar o Ulster, pondo um ponto final em quase 40 anos de conflito.

O protestante Ian Paisley tomou posse como chefe do governo e Martin McGuinness, católico e antigo membro do IRA, como vice-primeiro-ministro. A tomada de posse decorreu sob o olhar dos primeiros-ministros britânico, Tony Blair, e irlandês, Bertie Ahern, que ao longo da última década foram os padrinhos do processo de paz.

Na cerimónia sóbria e breve, em Stormont, Ian Paisley afirmou: “Do fundo do coração, posso dizer que acredito que a Irlanda do Norte chegou a uma era de paz, onde o ódio já não tem lugar. É bom fazer parte do maravilhoso processo de cura desta província”.

Este momento nasceu a 26 de Março, depois das eleições na província, quando Paisley e Gerry Adams, líder do Sinn Fein, deram um passo histórico e aceitaram partilhar o poder.

Esta terça-feira, para além do optimismo e confiança, Martin McGuinness, proferiu um discurso muito pragmático, no qual recordou as dificuldades que terão de enfrentar para atingir os objectivos e aproveitar as oportunidades que existem e que as gerações futuras esperam e merecem.

Para chegar a este dia o caminho foi longo. Primeiro o conflito que, entre 1969 e 1998, fez 3500 mortos depois a desconfiança, que levou à suspensão, em 2002, das instituições criadas Acordos de Sexta-feira Santa. Após avanços e recuos esta é uma vitória de todos, mas sobretudo para Tony Blair, a dias de abandonar o poder.

Depois de terem confrontado, Paisley e McGuinness vão enfrentar juntos os desafios do Ulster. Os protestantes ocupam os ministérios das Finanças, Economia, Ambiente e Cultura. O Sinn Fein os da Educação, Desenvolvimento regional e Agricultura.