Última hora

Última hora

Sindicatos em alerta vermelho

Em leitura:

Sindicatos em alerta vermelho

Tamanho do texto Aa Aa

A Confederação Europeia de Sindicatos está contra qualquer revisão da carta social, que reduza os direitos dos trabalhadores, já consagrados no Tratado Consitucional. A posição foi adoptada, com a classificação de “urgente”, durante o congresso de Sevilha.

Os sindicatos prometem fazer “campanha contra todas as iniciativas que pretendam omitir ou atenuar a importância da carta dos direitos fundamentais”. Esta posição reflecte o estado de alerta, perante a possibilidade de uma nova versão reduzida do Tratado Constitucional que omita a Carta Social.

Uma luta que pode passar pelo recurso à justiça, como aconteceu com a chamada directiva dos serviços. O novo secretário geral propôs uma “ofensiva, para tornar realidade a carta social”. Jonh Monks, o britânico que vai liderar a conferação, considerou que a chave para ressuscitar a economia não é a desregulamentação das relações laborais.

Deixou críticas à comissão europeia, acusando-a de “ortodoxia” e de “travão do progresso social”. Para os dias 21 e 22 de Junho, já está marcada uma manifestação, em Bruxelas, durante os trabalhos do Conselho Europeu. O congresso dos sindicatos denunciou todos aqueles que, com a “flexisegurança”, pretendem apenas a “liberalização do mercado de trabalho”.