Última hora

Última hora

Jerusalém assiste a Marcha do Orgulho Gay sem incidentes

Em leitura:

Jerusalém assiste a Marcha do Orgulho Gay sem incidentes

Tamanho do texto Aa Aa

Milhares de pessoas participaram hoje pacificamente na Marcha do Orgulho Gay em Jerusalém, rodeada por um importante dispositivo policial e sob forte contestação por parte da comunidade ultra-ortodoxa.

Impedidos de sair à rua no ano passado depois de, em 2005, um fundamentalista religioso ter esfaqueado vários participantes, os manifestantes contaram este ano com 7000 agentes, encarregados de zelar pela segurança do evento.

Um representante da comunidade homossexual explicava antes que “marcham contra a repressão e a favor dos direitos básicos como seres humanos, bem como para tentar suplantar a opressão que existe em Jerusalém”.

A manifestação foi condenada por líderes católicos e muçulmanos, mas foi entre a comunidade ortodoxa que a contestação foi mais intensa.

Yoel Webber, organizador de vários protestos, diz que para “o Judaísmo Ortodoxo, ou qualquer pessoa que vive segundo a Tora, isto é um tipo de profanação da Tora, uma profanação do modo de vida judaico”.

Nos últimos dias, alguns protestos subiram de tom, degenerando em confrontos entre grupos ultra-ortodoxos e as autoridades. A polícia efectuou mais de 130 detenções, tanto nestas manifestações violentas, como ao descobrir planos para sabotar a marcha de hoje. Um jovem foi detido na posse de uma bomba caseira.