Última hora

Última hora

Bachar El Assad da Síria

Em leitura:

Bachar El Assad da Síria

Bachar El Assad da Síria
Tamanho do texto Aa Aa

Bachar El Assad surgiu como uma figura enigmática. Apareceu em público raramente nestes últimos sete anos, mas parece ter aproveitado o tempo para consolidar a legitimidade junto dos antigos partidários do pai, embora não tenha atingido o carisma a nível internacional.

No passado mês de Maio foi o único candidato à própria sucessão. Aquando da primeira eleição, no ano 2000, este médico oftalmologista sucedeu ao pai por mero acaso, pois era o irmão mais velho, Basel, que estava destinado à carreira política. Mas um acidente de automóvel, em 1994, fez de Bashar o herdeiro sobrevivente à formação política acelerada. Era jovem, tinha 34 anos, e no discurso da tomada de posse trouxe a esperança à Síria e aos parceiros internacionais, prometendo abertura e mudanças.

Era uma nova geração de líderes que chegava ao poder no mundo árabe, sucedendo aos grandes dirigentes que tinham sido os pais: Abdallah, na Jordânia ou Mohamed VI em Marrocos. Em relação à Síria, o biógrafo d’Hafez el Assad dizia na época que “o legado do presidente Assad era tão forte que qualquer sucessor seria obrigado a seguir as suas pegadas e a não se separar dessa herança.”

Foi o que acabou por acontecer. O sucessor seguiu à letra o legado e e abertura prometida ficou conhecida por Primavera de Damasco. Mais tarde, o chefe de Estado dirá que o discurdo de investidura foi mal compreendido.

A primeira mudança dramática aconteceu depois do assassinato do antigo primeiro ministro do Líbano, Rafic Hariri, atribuido aos serviços secretos sírios: a comunidade internacional levou a Síria a retirar os soldados do país vizinho. Tanto os Estados Unidos como Israel acusam a Síria de apoiar logisticamente o Hezbollah, o Hamas e a Jihad islâmica, assim como de acolher os dirigentes destes movimentos procurados pelo Tsahal.

Bachar justifica-se. “A cena política apresenta muitos pontos conflituosos que, misturados, ao serviço de países estrangeiros como Israel, pressupoem a alteração da identidade árabe”. Bashar deixou de ser um enigma. Tornou-se uma nebulosa na região, sem a qual não haverá negociações para a paz no Médio Oriente.