Última hora

Última hora

Conflito político não afecta negócios entre Rússia e Reino Unido

Em leitura:

Conflito político não afecta negócios entre Rússia e Reino Unido

Tamanho do texto Aa Aa

O conflito diplomático entre Londres e Moscovo é uma ameaça para os investidores britânicos na Rússia? Na verdade, muitos empresários britânicos temem pelos negócios florescentes em solo russo, apesar das declarações tranquilizadoras dos dois lados.

Ontem, o embaixador britânico em Moscovo, Anthony Brenton, voltou a lembrar os elos existentes: “Esperamos que os laços económicos entre o Reino Unido e a Rússia continuem a crescer. São muito fortes, tanto para a Rússia como para o Reino Unido.

O volume de negócios entre os dois países triplicou nos últimos cinco anos. Em 2006, os investimentos britânicos na Rússia foram de quase dois milhões e meio de euros…e as previsões para este ano duplicam.

Os primeiros investidores estrangeiros na Rússia são os cipriotas, e os britânicos, que estavam em quarto lugar depois od holandeses e luxemburgueses, vão passar, provavelmente, a segundos investidores estrangeiros mais importantes durantes este ano.

Estão em todos os sectores económicos, desde a electricidade, â imobiliária, à distribuição alimentar…os russos, por seu lado, também querem aumentar o capital na City. Neil Cooper, da Câmara do Comércio britânico-russa em Moscovo explica: “As estatísticas estão a crescer, os investimentos britânicos aumentam anualmente. O investimento russo em solo inglês duplica, também. Entre os dois países, no ano passado, o volume de negócios deve ter ultrapassado os 16 mil milhões de dólares.”

Por outro lado, algumas empresas sofreram revezes económicos. Em 2006, a petrolífera anglo-holandesa Shell foi obrigada a vender ao monopólio russo Gazprom a sua participação no gigantesco projecto de gasotuto. Mas o analista Roland Nash aconselha pragmatismo: “Desde 2001, a Bolsa valorizou em 600 mil milhões de dólares. Muito dinheiro foi gerado na Rússia e, ao fim e ao cabo, são os economistas que fazem os negócios e não os políticos.”