Última hora

Última hora

Mediação da Primeira Dama francesa na libertação detidos búlgaros na Líbia

Em leitura:

Mediação da Primeira Dama francesa na libertação detidos búlgaros na Líbia

Mediação da Primeira Dama francesa na libertação detidos búlgaros na Líbia
Tamanho do texto Aa Aa

Na Bulgária, ninguém tem dúvidas: a Primeira Dama de França libertou o pessoal médico detido da Líbia, há oito anos.
Mas os contornos de toda a história são dúbios: a começar pelos dois processos, as condenações à morte, o papel da União Europeia, do chefe da diplomacia francesa, Bernard Kouchner, de Cecília Sarkozy. A oposição francesa pede explicações: “ Se este é um caso humanitário, não é ilógico que a Primeira dama se encarregue dele; mas se é um caso político, então o método diplomático, que eu reprovo totalmente.” “A segunda questão que se coloca é de saber para que serve o senhor Bernard Kouchner, ministro dos Negócios Estrangeiros. Talvez o presidente da República o queira substituir pela esposa!”

O presidente, por seu lado, lembrou o que era verdadeiramente importante: “Não há que teorizar sobre uma nova organização da diplomacia francesa, o estatuto da mulher do Chefe de Estado ou qualquer outro assunto. O que era importante era tirá-los de lá e é isso que conta.” O Eliseu quer continuar estes esforços diplomáticos neste sentido e pressionar as FARC para libertarem Ingrida Betancourt, e os outros reféns, na Colômbia, assim como, San Suu-Kyi, em prisão domiciliária na antiga Birmânia (hoje, Myanmar).

Resta saber qual o papel que vai desempenhar a Primeira Dama de França.