Última hora

Última hora

Quanto custa o acesso ao crédito imobiliário

Em leitura:

Quanto custa o acesso ao crédito imobiliário

Tamanho do texto Aa Aa

A pensar no relançamento da economia, a Reserva Federal facilitou o acesso ao crédito, a partir de 2002. Mas nem tudo são vantagens. A hipoteca clássica com uma taxa de juro fixa e invariável ao longo de 30 anos deu lugar a situações de risco. É o caso dos empréstimos do tipo subprime: concedidos a pessoas com restrições de crédito, que assistem passivamente ao inflaccionar das taxas de juros. Ivy Zelman do Crédit Suisse afirma, que se consegue obter um crédito imobiliário “num abrir e fechar de olhos”. A impossibilidade de pagar o empréstimo levou a que pelo menos um milhão de pessoas tenha perdido a casa. Mas como pode uma crise imobiliária dos Estados Unidos provocar uma crise na bolsa mundial? Vejamos como funciona: os particulares são insolventes. A insuficiência leva à falência dos estabelecimentos prestamistas que deixam de ser reembolsados. A perda no mercado imobiliário incita-os vender as acções, um movimento que provoca a queda das bolsas.

A crise do crédito imobiliário dos Estados Unidos arrastou-se a todo o mundo. Portugal não foi excepção. A Euronext Lisboa registou o maior deslize desde 1998. Em apenas uma semana, a bolsa portuguesa perdeu mais de 13 mil milhões de euros. Ao desencadear um clima de desconfiança, a crise poderá ter efeitos dramáticos na economia nacional. A falta de dinheiro reduz o investimento e dificulta acesso ao crédito, podendo, tornar-se mais caro. A Comissão Europeia decidiu abrir um inquérito sobre o papel das agências de notação financeira, acusadas de não reagirem à determinação dos mercados. De acordo com a porta voz da Comissão Europeia, Antonia Mochan, “há um conjunto de questões que queremos ter em conta: a organização das agências, a forma como gerem os conflitos de interesse e os seus desempenhos de avaliaçãos”. Alguns analistas acreditam que a tendência de queda nas bolsas não passa de um ajuste nos preços. Um sinal de aversão ao risco associado à procura de maior segurança por parte dos investidores.