Última hora

Última hora

Novas medidas para travar pedofilia em França

Em leitura:

Novas medidas para travar pedofilia em França

Tamanho do texto Aa Aa

Francis Evrard não é apenas o mais mediático pedófilo em França é, também, o nome que relançou o debate sobre a pedofilia no país.

Cinco dias após o escandâlo, o governo francês reune-se para dar uma resposta ao problema e acalmar os ânimos da população. Além do cumprimento integral da pena, Nicolas Sarkozy, anuncia a construção de um hospital fechado até 2009, em Lyon, e a sujeição dos delinquentes sexuais reincidentes a um exame médico antes de sairem da prisão. “Os detidos serão no final da pena examinados por uma equipa de médicos, que deverá atestar se é ou não segura a sua reinserção social, caso não seja, ficarão internados num hospital” afirma o presidente francês.

Estes hospitais já existem na Alemanha, mas a ideia suscita algumas reservas como refere François Bes do Observatório internacional das prisões: “a aplicação da medida após o cumprimento da pena parece-me completamente insensata. É durante a execução da sanção que é necessário agir. Creio que de outra forma, não se está a querer reconhecer as carências que existem actualmente.”

A saída fica sujeita a duas condições: o uso de uma pulseira GPS que permite localizar o pedófilo em tempo real. Uma medida já instaurada em países como os Estados Unidos, Suécia, Grã-Bretanha e Países Baixos. Será, também, necessária a aceitação da castração química. Um tratamento hormonal,neste caso, voluntário que visa diminuir o impeto daqueles que já cometeram algum delito sexual.

Para o psiquiatra, Serge Stoleru é importante precisar que “a utilização deste tratamento está reservada a casos graves” de pedofilia, entenda-se por grave, “um pedófilo reincidente” que não consegue controlar os seus impulsos, porque são demasiado fortes, acrescentando, “é um tratamento continuo e que não deve ser prescrito sem psicoterapia.”

A castração química é legalmente utilizada no Califórnia, mas o debate sobre os prós e contras deste tratamento é tudo menos consensual. Muitos especialistas afirmam que a diminuição do desejo sexual aumenta os níveis de agressividade do individuo, efeitos até agora sub avaliados.