Última hora

Última hora

Agentes secretos russos entre suspeitos do assassínio de Politkovskaya

Em leitura:

Agentes secretos russos entre suspeitos do assassínio de Politkovskaya

Tamanho do texto Aa Aa

A detenção de dez pessoas, suspeitas de envolvimento na morte da jornalista russa Anna Politkovskaia, volta a levantar a dúvida sobre a implicação das autoridades no assassínio. Ontem o Procurador-geral russo anunciava que as investigações tinham conduzido à captura de dez indivíduos entre 15 e 23 de Agosto.

Entre os suspeitos, de várias nacionalidades, encontram-se não só assassinos a soldo de origem Chechena, mas também antigos e actuais agentes dos serviços secretos russos que teriam vigiado Politkovskaia nas semanas que antecederam a sua morte.

O presidente Vladimir Putin, principal alvo dos artigos polémicos da jornalista, fez ontem questão em receber o procurador-geral antes da conferência de imprensa em que se anunciaram as detenções.

Segundo Yuri Chaika, “os autores morais do assassínio serão pessoas que vivem no exílio e que estarão interessadas em desestabilizar o país”.

Politkovskaia, uma das vozes mais críticas da política do Kremlin e do sistema de corrupção instalado nos serviços secretos e no exército russos tinha sido assassinada em Outubro do ano passado com 5 balas na cabeça.

No jornal Novaya Gazeta, onde Politkovskaya assinou a maioria dos seus artigos, os jornalistas prosseguem uma investigação paralela à das autoridades.

Para o director da publicação, que saudou as detenções, a investigação levanta o véu sobre a cumplicidade entre grupos criminosos e autoridades.

Numa crónica publicada ontem no jornal, o director sublinhava a necessidade de julgar e condenar não só os autores materiais, mas também os mandantes do assassínio, para já desconhecidos.