Última hora

Última hora

Flamengos aproveitam falta de governo belga há três meses para proporem independência

Em leitura:

Flamengos aproveitam falta de governo belga há três meses para proporem independência

Tamanho do texto Aa Aa

A crise política na Bélgica, que está sem governo há três meses, levou os deputados extremistas flamengos a propôr a independência da Flandres, através da realização de um referendo. O vazio de poder provocado pela falta de entendimento entre francófonos e flamengos para a formação do executivo empurrou o líder do Vlaams Belang, o partido Interesse Flamengo, a propôr o modelo de autonomia catalão, com vista à criação de um Estado independente.

Filip Dewinter, chefe do Vlaams Belang, considera que neste momento já nada é possível fazer na Bélgica. A crise política já dura há 92 dias. Dewinter queixa-se que os Valões não querem aceitar as propostas da maioria flamenga e do governo flamengo, por isso vão decidir por eles próprios. O parlamento e o governo flamengos vão declarar independência.

Mas as coisas não são assim tão simples. Os deputados radicais pediram um debate de urgência sobre a questão mas os colegas dos restantes partidos não se mostraram coniventes com a ideia. A proposta de referendo foi rejeitada pela maioria parlamentar.

Um elemento da Associação Patriótica para a Unidade da Bélgica assegura que a maioria dos belgas, de norte a sul do país, são a favor do país unido. E considera que os partidos extremistas só vivem para explorar o conflito

A crise começou com as legislativas de 10 de Junho, ganhas pelos democratas-cristãos flamengos. O líder Yves Leterme não conseguiu formar uma coligação para governar. Os francófonos acusam-no de querer diminuir a unidade do Estado, ao pretender reforçar os poderes dos governos regionais da Frandres, da Valónia e de Bruxelas.