Última hora

Em leitura:

Fenómeno político social Beppe Grillo em Itália pouco tem de cómico


entrevista

Fenómeno político social Beppe Grillo em Itália pouco tem de cómico

Há pouco tempo, era um humorista como os outros. Hoje, Beppe Grillo é algo mais por causa do Dia V, nada tem a ver com Vitória mas com o V de “Vaffanculo”, contra os políticos cinzentos e a corrupção. Agora, decidiu entrar no terreno de apoio às listas cívicas das próximas eleições, para trazer os cidadãos de volta à política…com a etiqueta Grillo.

Mas quem é ele? Um perigoso e azedo demagogo ou o homem que traz uma voz nova a Itália?
Em exclusivo para a EuroNews, o genovês mais desbocado de sempre, levanta o véu sobre o “Estado da Nação”.

Beppe Grillo – Quem sou eu? Sou Beppe Grillo. Beppe Grillo nasceu como uma espécie de cómico, artista de variedades…agora não sei o que sou… Comecei nos cabarés com duas pessoas… como com os blog’s na Net. Um post…e logo a seguir 3000 posts…

EuroNews – Em 1986, Grillo foi banido das televisões por ter dito uma laracha de mau gosto contra o líder socialista Bettino Craxi. E o estatuto mudou. BG – “Foi tudo uma coincidência, um milagre. Sou uma pessoa respeitável mas com talento: em 30 anos de trabalho, impus-me. E o respeito, actualmente, é informação. Principalmente na Net.

Hoje em dia, se alguém escreve uma mentira na Net, em apenas 24 horas recebe dois mil posts a chamar-lhe brincalhão, mentiroso, rasca ou estúpido, não é? Por isso, não se pode mentir. Isto é a democracia. Obviamente, que se falamos na televisão e na imprensa não corremos riscos, não há congtraditório. Mas na Net fica a nossa reputação, tem de ganhar-se o respeito contando a verdade.

Toda a gente em Itália tenta abrir um blog, políticos, jornalistas, mas depois fecham passados 15 dias. Entre eles está o nosso Ministro da Justiça, Clemente Mastella. Fala de mim no blog dele. É como se … Gordon Brown, na Inglaterra, fizesse um blog para responder a Mr. Bean. … E os nossos líderes políticos? Prodi, o nosso “Valium”, conhecem-no? Aquele que fala com as mãos… bem, tentou abrir um blog que fechou 15 dias depois.

Para não falar do “anão psicótico”, o Berlusconi, chamo-lhe “truffolo” porque ele é uma verdadeira publicidade ao que não devia existir. É como um holograma, um vendedor de fumo.”

EN- Nos últimos quatro anos, Grillo escreveu um blog, o mais popular de Itália, com 200 mil visitas diárias. Um milagre e, de acordo com as sondagens, 50 por cento dos italianos pensam votar nele nas próximas eleições. O humorista esteve num grande comício em Bolonha, cidade do primeiro-ministro Romano Prodi, e em 250 outras cidades do país e mais 30 do estrangeiro. Recolheu mais de 300 mil assinaturas.

BG – “Este Dia Vaffanculo” organizado em Setembro para uma petição popular foi feito de uma maneira absolutamente oficial, de uma perfeita constitucionalidade. Era esperado por um milhão e meio de pessoas, jovens, sem bandeira partidária.”

EN – O protesto nasceu na Internet. BG – “A Net fornece a oportunidade de reclamar em casa. Há uma manifestação a decorrer em Beppegrillo.it, verifiquem. Vejam em V-Day e encontram a marcha com os pequenos avatares. Os avatares são os bonecos pequenos. Parece um jogo estúpido, mas se clickarem num boneco, e há 235 mil, obtêm o nome de uma pessoa real. “

EN – Não é um protesto contra as políticas mas contra os políticos. O Dia V parece impossível para um movimento confinado à blogosfera. Os partidos políticos tentaram ignorá-lo, mas não podem continuar a fazê-lo devido à magnitude social do fenómeno. Com este comportamento os políticos deram-lhe uma mãozinha. BG – “Temos 24 condenados no Parlamento. Foras-da-lei que fazem leis. Um em cada 10. No Parlamento, um em cada 10 tem registo criminal. No Bronx, é um em cada 15. Eles lá até têm medo do nosso Parlamento! Dizemos não aos deputados criminosos. Penso que é óbvio e normal.
Dizemos não aos deputados profissionais, com mais de dois mandatos. Dois mandatos são 10 anos. Há tempo para fazer alguma política pois não é o mesmo que seis meses, mas 10 anos! E depois, eleições directas. Os candidatos devem ser eleitos pelos cidadãos, que expressem directamente as preferências.”

EN – Mas Grillo é de esquerda ou direita? BG – “Isso é uma maneira antiga de pensar. É ao murro…estou a brincar…nem de direita nem de esquerda…”

EN- A mobilização para o Dia V abanou o sistema político. Os políticos acusam Grillo de ser um demagogo populista, um ignorante que nada sabe de leis. Gozam com a vontade dele de destruir os partidos. Alguns políticos acham que os protestos trouxeram à luz os piores acontecimentos da história.

E Grillo também se atira aos empresários italianos. Entrou na Assembleia Geral da Telecom em Abril para pedir a demissão da direcção, acusando-a das más condições financeiras da empresa. “Façam um favor ao país e mostrem alguma dignidade. Vão embora!”

“Este é outro problema. Os verdadeiros donos de tão gigantesca empresa como a Telecom Italia são os pequenos investidores. Tínhamos o Tronchetti Provera, que se armava em grande capitalista e depois vimos que era realmente um falso. Andava a ganhar dinheiro com as acções. Nos Estados Unidos, isso dava direito a 20 anos de prisão. Em Itália, deu direito a ganhar 240 milhões de euros e agora anda a navegar no barco privado depois de arruinar duas empresas: Telecom e Pirelli. Por isso fui lá em representação dos pequenos investidores. Fizemos uma partilha de acções, como em todo o lado, em França… Pedi aos pequenos investidores para me delegarem o seu poder para eu lhes dar voz a eles.

EN – A fama de Grillo foi além fronteiras. Em 2005, a Times nomeou-o entre os 37 heróis do ano. Foi o primeiro humorista a ser convidado para o Parlamento Europeu, onde anunciou o Dia V. Para ele, outro cancro da democracia é a falta de verdade nos Media. Com algumas excepções…

BG – “É fantástico, extraordinário. Fiz um post com um comentário na Euronews. É o único canal onde se pode ver um “No Coment”, silêncio, maravilhoso. Podem ouvir-se vozes num jogo de futebol ou o treinador aos gritos, sentindo-se o jogo. “

EN – Ele critica, basicamente, o estado dos Media italianos, financiado pelo Estado…e saúda os que considera “diferentes”. BG – “O próximo Dia V pretende cortar com o financiamento público a esta má comunicação social”. “Mãos para cima, façam o V, Euronews’ as câmaras filmam-nos! Euronews é um canal de respeito, que emite em sete línguas em todo o mundo, toda a gente sabe! “

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

entrevista

Cavaco Silva: "Não é este o tempo de discutir as fronteiras da Europa"