Última hora

Última hora

Fenómeno político social Beppe Grillo em Itália pouco tem de cómico

Em leitura:

Fenómeno político social Beppe Grillo em Itália pouco tem de cómico

Tamanho do texto Aa Aa

Há pouco tempo, era um humorista como os outros. Hoje, Beppe Grillo é algo mais por causa do Dia V, nada tem a ver com Vitória mas com o V de “Vaffanculo”, contra os políticos cinzentos e a corrupção. Agora, decidiu entrar no terreno de apoio às listas cívicas das próximas eleições, para trazer os cidadãos de volta à política…com a etiqueta Grillo.

Mas quem é ele? Um perigoso e azedo demagogo ou o homem que traz uma voz nova a Itália?
Em exclusivo para a EuroNews, o genovês mais desbocado de sempre, levanta o véu sobre o “Estado da Nação”.

Beppe Grillo – Quem sou eu? Sou Beppe Grillo. Beppe Grillo nasceu como uma espécie de cómico, artista de variedades…agora não sei o que sou… Comecei nos cabarés com duas pessoas… como com os blog’s na Net. Um post…e logo a seguir 3000 posts…

EuroNews – Em 1986, Grillo foi banido das televisões por ter dito uma laracha de mau gosto contra o líder socialista Bettino Craxi. E o estatuto mudou. BG – “Foi tudo uma coincidência, um milagre. Sou uma pessoa respeitável mas com talento: em 30 anos de trabalho, impus-me. E o respeito, actualmente, é informação. Principalmente na Net.

Hoje em dia, se alguém escreve uma mentira na Net, em apenas 24 horas recebe dois mil posts a chamar-lhe brincalhão, mentiroso, rasca ou estúpido, não é? Por isso, não se pode mentir. Isto é a democracia. Obviamente, que se falamos na televisão e na imprensa não corremos riscos, não há congtraditório. Mas na Net fica a nossa reputação, tem de ganhar-se o respeito contando a verdade.

Toda a gente em Itália tenta abrir um blog, políticos, jornalistas, mas depois fecham passados 15 dias. Entre eles está o nosso Ministro da Justiça, Clemente Mastella. Fala de mim no blog dele. É como se … Gordon Brown, na Inglaterra, fizesse um blog para responder a Mr. Bean. … E os nossos líderes políticos? Prodi, o nosso “Valium”, conhecem-no? Aquele que fala com as mãos… bem, tentou abrir um blog que fechou 15 dias depois.

Para não falar do “anão psicótico”, o Berlusconi, chamo-lhe “truffolo” porque ele é uma verdadeira publicidade ao que não devia existir. É como um holograma, um vendedor de fumo.”

EN- Nos últimos quatro anos, Grillo escreveu um blog, o mais popular de Itália, com 200 mil visitas diárias. Um milagre e, de acordo com as sondagens, 50 por cento dos italianos pensam votar nele nas próximas eleições. O humorista esteve num grande comício em Bolonha, cidade do primeiro-ministro Romano Prodi, e em 250 outras cidades do país e mais 30 do estrangeiro. Recolheu mais de 300 mil assinaturas.

BG – “Este Dia Vaffanculo” organizado em Setembro para uma petição popular foi feito de uma maneira absolutamente oficial, de uma perfeita constitucionalidade. Era esperado por um milhão e meio de pessoas, jovens, sem bandeira partidária.”

EN – O protesto nasceu na Internet. BG – “A Net fornece a oportunidade de reclamar em casa. Há uma manifestação a decorrer em Beppegrillo.it, verifiquem. Vejam em V-Day e encontram a marcha com os pequenos avatares. Os avatares são os bonecos pequenos. Parece um jogo estúpido, mas se clickarem num boneco, e há 235 mil, obtêm o nome de uma pessoa real. “

EN – Não é um protesto contra as políticas mas contra os políticos. O Dia V parece impossível para um movimento confinado à blogosfera. Os partidos políticos tentaram ignorá-lo, mas não podem continuar a fazê-lo devido à magnitude social do fenómeno. Com este comportamento os políticos deram-lhe uma mãozinha. BG – “Temos 24 condenados no Parlamento. Foras-da-lei que fazem leis. Um em cada 10. No Parlamento, um em cada 10 tem registo criminal. No Bronx, é um em cada 15. Eles lá até têm medo do nosso Parlamento! Dizemos não aos deputados criminosos. Penso que é óbvio e normal.
Dizemos não aos deputados profissionais, com mais de dois mandatos. Dois mandatos são 10 anos. Há tempo para fazer alguma política pois não é o mesmo que seis meses, mas 10 anos! E depois, eleições directas. Os candidatos devem ser eleitos pelos cidadãos, que expressem directamente as preferências.”

EN – Mas Grillo é de esquerda ou direita? BG – “Isso é uma maneira antiga de pensar. É ao murro…estou a brincar…nem de direita nem de esquerda…”

EN- A mobilização para o Dia V abanou o sistema político. Os políticos acusam Grillo de ser um demagogo populista, um ignorante que nada sabe de leis. Gozam com a vontade dele de destruir os partidos. Alguns políticos acham que os protestos trouxeram à luz os piores acontecimentos da história.

E Grillo também se atira aos empresários italianos. Entrou na Assembleia Geral da Telecom em Abril para pedir a demissão da direcção, acusando-a das más condições financeiras da empresa. “Façam um favor ao país e mostrem alguma dignidade. Vão embora!”

“Este é outro problema. Os verdadeiros donos de tão gigantesca empresa como a Telecom Italia são os pequenos investidores. Tínhamos o Tronchetti Provera, que se armava em grande capitalista e depois vimos que era realmente um falso. Andava a ganhar dinheiro com as acções. Nos Estados Unidos, isso dava direito a 20 anos de prisão. Em Itália, deu direito a ganhar 240 milhões de euros e agora anda a navegar no barco privado depois de arruinar duas empresas: Telecom e Pirelli. Por isso fui lá em representação dos pequenos investidores. Fizemos uma partilha de acções, como em todo o lado, em França… Pedi aos pequenos investidores para me delegarem o seu poder para eu lhes dar voz a eles.

EN – A fama de Grillo foi além fronteiras. Em 2005, a Times nomeou-o entre os 37 heróis do ano. Foi o primeiro humorista a ser convidado para o Parlamento Europeu, onde anunciou o Dia V. Para ele, outro cancro da democracia é a falta de verdade nos Media. Com algumas excepções…

BG – “É fantástico, extraordinário. Fiz um post com um comentário na Euronews. É o único canal onde se pode ver um “No Coment”, silêncio, maravilhoso. Podem ouvir-se vozes num jogo de futebol ou o treinador aos gritos, sentindo-se o jogo. “

EN – Ele critica, basicamente, o estado dos Media italianos, financiado pelo Estado…e saúda os que considera “diferentes”. BG – “O próximo Dia V pretende cortar com o financiamento público a esta má comunicação social”. “Mãos para cima, façam o V, Euronews’ as câmaras filmam-nos! Euronews é um canal de respeito, que emite em sete línguas em todo o mundo, toda a gente sabe! “