Última hora

Última hora

Mulheres pouco representadas nas cúpulas empresariais

Em leitura:

Mulheres pouco representadas nas cúpulas empresariais

Tamanho do texto Aa Aa

O mundo dos negócios continua a ser, em grande medida, um mundo de homens. A progressão das mulheres à frente de empresas faz-se, mas a passo muito lento. É o que diz um estudo publicado agora, segundo o qual nas 200 maiores empresas mundiais as mulheres representam 11,2% dos membros dos conselhos de administração, contra 10,4% há um ano.

Patricia Russo, presidente da Alcatel-Lucent, ou Anne-Marie Ydrac, que rege os destinos da companhia francesa de caminhos-de-ferro SNCF, são exemplos de sucesso.

Entre os países alvo deste estudo, Estados Unidos e Reino Unido são aqueles onde há mais paridade. Alemanha e França estão dentro da média, enquanto Itália e Japão são os países onde as mulheres estão menos representadas nas cúpulas das empresas.

Empresas como a Hewlett-Packard, a Johnson and Johnson ou a Merryl Lynch, todas com sede nos Estados Unidos, são as mais elogiadas por este estudo, realizado pela Organização Internacional de Mulheres Dirigentes Empresariais.