Última hora

Última hora

Empresa de segurança australiana acusada de matar "às cegas" duas mulheres em Bagdade

Em leitura:

Empresa de segurança australiana acusada de matar "às cegas" duas mulheres em Bagdade

Empresa de segurança australiana acusada de matar "às cegas" duas mulheres em Bagdade
Tamanho do texto Aa Aa

Responsáveis iraquianos acusam agentes de segurança privada de voltarem a disparar às cegas sobre civis. Elementos da Unity Resources Group, empresa australiana com base no Dubai, mataram ontem duas mulheres a tiro em Bagdade.

A companhia justificou-se dizendo que o carro das vítimas não parou quando a caravana de viaturas onde os seus homens seguiam lhes lançou sinais de aviso.

O funeral das duas mulheres cristãs decorreu hoje na Igreja Ortodoxa Arménia, na capital iraquiana.

Governo e cidadãos iraquianos acusam as empresas estrangeiras de segurança privada de agirem com impunidade no seu território. Há actualmente 180 companhias a operar no Iraque, que empregam entre 25 e 50 mil homens.

Em Bagdade, uma activista iraquiana protestava contra o que classifica de “actos terroristas, o assassinato de mulheres”. E questionava “onde está o governo e a lei iraquiana”, face a estes actos.

Os seguranças privados são imunes à legislação do Iraque graças a um acordo de 2004, quando o país estava sob administração norte-americana.

Há um mês, um tiroteio protagonizado pela Blackwater resultou na morte de 17 civis. Bagdade exige indemnizações na ordem dos cem milhões de euros. O patrão da empresa norte-americana, Erik Prince, foi ouvido na semana passada no Congresso dos Estados Unidos.