Última hora

Em leitura:

Casa Branca contra reconhecimento do genocídio arménio para evitar escalada da tensão com Ancara


mundo

Casa Branca contra reconhecimento do genocídio arménio para evitar escalada da tensão com Ancara

Tensão entre Ancara e Washington. A Turquia fez regressar a casa para consultas o seu embaixador nos Estados Unidos. Trata-se da primeira retaliação de Ancara à aprovação de um texto que reconhece o genocídio arménio. Ancara garante que o diplomata Nabi Sensoy irá regressar a Washington. Quando? Não se sabe. Mas Ancara fez sentir também o seu descontentamento ao embaixador americano na Turquia.

O governo turco avisa que o caso poderá minar as relações bilaterais e uma das primeiras consequências poderá ser o aumento do sentimento anti-americano. Muito turcos contestaram, ontem, nas ruas a aprovação do texto.

Na Turquia, falar de genocídio arménio é crime daí a reacção ao voto, pela Comissão dos Negócios Estrangeiros da Câmara dos Representantes, da resolução sobre a morte de milhão e meio de arménios pelo exército otomano. O texto deverá ser votado pela Câmara dos Representantes em meados de Novembro, mas a administração Bush promete tudo fazer para que seja rejeitado.

Tom Casey, porta-voz do Departamento de Estado, afirma que será transmitida às autoridades turcas a mensagem de que a administração lamenta a aprovação da resolução, de que a Casa Branca opõe-se ao texto e compromete-se a trabalhar com o Congresso para ver se toda a Câmara vota contra.

Washington receia que o caso afecte o uso de uma base turca essencial às missões militares no Afeganistão e no Iraque e que diminua a sua influência junto de Ancara, quando o exército turco pressiona para lançar uma operação contra os curdos no norte do Iraque.

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Turquia pronta a pagar o "preço" de uma eventual intervenção militar unilateral no Iraque