Última hora

Última hora

A reforma dos regimes especiais agita a França

Em leitura:

A reforma dos regimes especiais agita a França

Tamanho do texto Aa Aa

Governo e sindicatos procuram uma saída para a crise provocada pela reforma dos regimes especiais em França.
Apesar do diálogo existente os trabalhadores dos caminhos-de-ferro votaram a continuação da greve iniciada ontem à noite, o que significa que amanhã o caos irá repetir-se no que diz respeito aos transportes e isto enquanto não for encontrada uma solução: “A solução para o conflito será a manutenção do que temos actualmente. A nossa reivindicação é pela manutenção ou melhoramento. Fora de questão assumir um compromisso numa reforma que consiste em baixar o nível das pensões, isso é impensável”, diz um manifestante.

O governo quer que todos os franceses cotisem 40 anos antes de se reformarem, independentemente da especificidade e do desgaste das suas profissões. Para os sectores abrangidos é uma declaração de guerra. O governo aceitou num primeiro passo as negociações tripartidas proposta pela CGT e o compromisso de estudar a situação empresa por empresa.

O ministro do Trabalho deve formular agora uma proposta aos sindicatos sobre o método a adoptar sabendo-se que a palavra de ordem é apaziguamento e diálogo para evitar que o movimento ganhe as proporções e a gravidade de 1995. Hoje em Paris terão sido 25 mil os manifestantes, a polícia indica apenas cinco mil.