Última hora

Em leitura:

Eleições russas sem a presença de observadores internacionais


mundo

Eleições russas sem a presença de observadores internacionais

As eleições legislativas russas iniciaram-se hoje nas zonas mais remotas do país, como na Sibéria, pela primeira vez sem a presença de observadores internacionais. Depois de semanas de polémica, a organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), anunciou hoje que não vai enviar uma equipa de observadores para acompanhar o sufrágio de 2 de Dezembro.

A organização justifica a decisão pela falta de cooperação das autoridades russas, que para lá de terem requisitado em atraso a presença dos observadores, reduziram em um terço o número de elementos convidados a acompanhar o sufrágio. A Comissão Europeia, lamentou esta manhã em Bruxelas a situação, apelando a Vladimir Putin para que garanta que as eleições vão seguir os padrões democráticos no país.

A situação aumenta a suspeita sobre o sufrágio legislativo em que oficialmente, o próprio presidente Putin encabeça a lista de candidatos do partido Rússia Unida. Paralelamente, a oposição tem-se queixado nas últimas semanas não só de perseguição por parte das autoridades, como das novas medidas draconianas impostas aos partidos que queira candidatar-se à eleição.

O movimento Outra Rússia de Gerry Kasparov viu-se mesmo impedido de participar no sufrágio por não reunir as condições exigidas.

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Greve ameaça fazer descarrilar a economia alemã