Última hora

Última hora

Imbróglio kosovar

Em leitura:

Imbróglio kosovar

Tamanho do texto Aa Aa

O albano-kosovares exigem a independência do Kosovo. Os sérvios preferem a autonomia alargada do território com administração da ONU. Mas nenhum dos cenários será possível sem o acordo da comunidade internacional.

O processo é tão complicado como o do Médio Oriente, mas o analista político Shkelzen Malici está optimista: espera que o acordo seja alcançado até 10 de dezembro.. A partir dessa data o Kosovo tem de ter um novo governo e um novo parlamento para se concluir o processo de negociações. Este período até ao fim de Dezembro vai ser o mais decisivo da história do Kosovo.

Até agora, os sérvios mantiveram-se irredutíveis, recusando qualquer forma de independência. Há três visões diferentes neste processo, mesmo dentro da troika: Estados Unidos, União Europeia e Rússia.

Washington é pela independência, quanto mais depressa melhor.

Quanto a Bruxelas, a divisão é visível. Apesar da União Europeia manter a missão no Kosovo, precisa da ONU para a conseguir manter E, se por um lado, os norte-americanos apoiam a independência sem reservas, os europeus estão reticentes. Muitos, têm problemas de separatismo no próprio território.

A Rússia apoia totalmente a Sérvia. Por isso, Moscovo é pela continuação das negociações. Assim, o dossiê pode voltar ao Conselho de Segurança no dia 20 de Dezembro, se não for concluido a 10, com um novo plano de independência sob controlo internacional.

A Rússia já impediu, em Julho, a adopção de uma resolução favorável a este plano e nada indica que mude de ideias.

Moscovo espera que a divisão da União Europeia sobre este assunto também se espelhe noutros diferendos internacionais, como o sistema de defesa anti-míssil americanos na Europa.

No fundo, qualquer que seja a data da declaração de independência, ela deve provocar um aumento de tensão regional. Cerca de metade dos 100 mil sérvios do Kosovo vivem no norte da província e ameaçam resistir à secessão.

Mitrovica a cidade etnicamente dividida, sérvia no norte e abanesa no sul, vai estar no centro de todas as atenções.