Última hora

Última hora

Presidente venezuelano reconhece derrota no referendo

Em leitura:

Presidente venezuelano reconhece derrota no referendo

Tamanho do texto Aa Aa

Desilusão e tristeza era o sentimento dominante entre os apoaintes do presidente venezuelano.

Os eleitores rejeitaram em referendo as alterações à constituição propostas por Hugo Chavez que tinham como objectivo instaurar o “socialismo do século XXI”.

Segundo a comissão nacional de eleições, o “não” obteve uma vitória tangencial de cerca de 51%.

Entre as propostas mais polémicas submetidas à população constava o fim da limitação do número de mandatos presidenciais.

É o primeiro revés eleitoral do chefe de estado venezuelano, no poder desde 1998, e um volte-face em relação às previsões que o davam como vencedor.

O presidente reconheceu a derrota.

“Não vos dei a vitória, ela é vossa, pertence-vos. Eu não desejei esta vitória mínima, muito menos nestas condições”, disse Chavez num discurso difundido pela televisão.

“Vou dormir tranquilo algumas horas esta manhã. E peço-vos para regressarem a casa. Àqueles que vão festejar, deixo uma recomendação, saibam administrar a vitória, não façam loucuras agora”, acrescentou com um sorriso.

A oposição festejou de forma pacífica nas ruas de Caracas.

Raul Badwell, ex-aliado de Chavez agora na oposição, reagiu aos resultados do referendo de forma contida.

“Temo de reconhecer que uma parte da sociedade venezuelana apoiou o senhor presidente mas também manifestou hoje que a dissidência é compatível com a unidade”, disse o ex-ministro da defesa.

No plano económico, as reformas recusadas pela maioria incluiam a proibição das privatizações, o fim da autonomia do banco central, medidas de protecção social e a redução do tempo de trabalho.