Última hora

Última hora

Mugabe domina II Cimeira UE-África

Em leitura:

Mugabe domina II Cimeira UE-África

Tamanho do texto Aa Aa

Perto de 70 chefes de Estado e de governo da União Africana e da União Europeia participam este fim-de-semana em Lisboa à II Cimeira União Europeia-África. Uma cimeira envolta em polémica devido à presença de líderes como o presidente do Zimbabué, Robert Mugabe, e o seu homólogo líbio, Muammar Khadafi.

No discurso de abertura da cimeira, o presidente em exercício da União Europeia, José Sócrates, abordou a crise humanitária no Darfur. “Compete-nos fazer desta cimeira uma janela de esperança para o drama terrível dos refugiados e para as tragédias que se vivem no Darfur e na Somália. É essa a nossa obrigação e o nosso dever.”

Sete anos depois do primeiro encontro, no Cairo, a capital egípcia, europeus e africanos vão abordar temas como a energia, os recursos naturais, o clima, o comércio e a imigração. O colonialismo não foi esquecido, com Khadafi a afirmar que vai pedir indemnizações pelo período colonial.

John Kufuor, chefe de Estado ganês e presidente em exercício da União Africana, fez questão de sublinhar “que durante cerca de 500 anos as relações entre os dois continentes não foram felizes e é para corrigir essa injustiça e desumanidade históricas que a nova relação entre África e a União Europeia é necessária.”

Robert Mugabe é uma das personalidades em destaque neste encontro. Contra praticamente tudo e todos, fez questão de se deslocar a Lisboa. Uma presença que valeu duras críticas à presidência portuguesa da União e que originou mesmo o boicote do primeiro-ministro britânico, Gordon Brown.