Última hora

Última hora

Xangai: O melhor mercado em 2007

Em leitura:

Xangai: O melhor mercado em 2007

Tamanho do texto Aa Aa

Tempo de balanços neste fim de ano, também nas bolsas que fecham portas e param as transacções até 2008.

Em termos globais a euforia vivida em 2006 passou, mas mesmo assim as praças financeiras fizeram bons progressos.

Com uma subida de 134%, a bolsa do Bangladesh foi a que mais cresceu em 2007, mas claro está a nação bengali não atrai por hora o grande capital.

Assim entre os principais mercados mundiais, Xangai foi o melhor do ano, com um crescimento de quase 97% e não fosse o recuo de Fevereiro, teria seguramente dobrado de valor.

A contrastar com a frenética actividade na Ásia, na Europa os tempos foram cinzentos, excepção feita ao DAX de Frankfurt que cresceu 21%. De resto Paris avançou 1% e Londres não chegou aos 4%.

Lisboa conseguiu avançar mais do que os 11% do Nasdaq nova-iorquino, mas claro que o volume de transacções não é comparável.

Apesar da crise do crédito imobiliário nos Estados Unidos, os mercados não ficaram de olhos em bico com o Dow Jones a crescer mesmo assim 7%.

Pouco antes do Natal, o índice Standard and Poor’s Global 1200, composto pelas vedetas de 29 praças mundiais, apresentava uma valorização de 11%, contra 19% em 2006.

A grande actividade nos mercados esteve concentrada na Ásia, com Xangai a dobrar praticamente de valor e Hong Kong a ganhar quase 50%. Mas o continente fica também com o prémio da pior bolsa do ano. O Japão passou 2007 numa montanha russa e o Nikkei fechou o ano a perder 11%.

Para 2008, as previsões dos analistas são que as acções valorizem em média 5 a 10%.

Dado adquirido parece ser o do barril de petróleo ultrapassar em 2008 a barreira dos 100 dólares, como previu Hugo Chavez, isto depois de ter iniciado 2007 a menos de 50 dólares o barril.