Última hora

Última hora

Erika e Prestige: na memória do mundo

Em leitura:

Erika e Prestige: na memória do mundo

Tamanho do texto Aa Aa

A 12 de Dezembro de 1999, o Erika, petroleiro com pavilhão de malta fretado pela Total, partiu-se em dois a 70 quilómetros a sul da costa da Finisterra. Mais de 10 mil toneladas de crude das quase 40 mil toneladas que transportava são vertidas no mar. O custo do naufrágio é exorbitante (:mil milhões de euros) e o choque faz reagir a União Europeia.

Três pacotes de medidas são propostos no dia seguinte com os nomes de Erika 1,2 e 3, prevendo controlos acrescidos e a renovação da frota. Mas os governos tardam em adoptá-las….

E no dia 13 de Novembro de 2002, dá-se a catástrofe do Prestige, ao largo da costa da Galiza. O balanço tamém é pesado, o navio, com 26 anos, também tinha um simples casco como o Erika. Três anos separaram estas catástrofes na Europa e deixaram uma enorme sensação de impotência. Uma semana depois do naufrágio do Prestige, a Comissária Europeia dos Transportes, na época, a malograda Loyola de Palacio envolvia-se:

“O que isto demonstra é que a Comissão tinha razão. Tinha razão quando pedia aos Estados Unidos uma acção urgente e decisiva para lutar contra a possível contaminação das costas europeias”.

Depois de Julho de 2003, foram aceleradas as medidas: contra o envelhecimento dos navios, por exemplo. 40 por cento com mais de 15 anos eram responsáveis por 80 por cento dos naufrágios. A Europa também impõe a partir de 2015 a generalização do casco duplo.

São aumentadas as inspecções e só 13 sociedades passam a estar habilitadas a passarem certificados de navegação e a controlarem 40 mil navios, entre os quais 7500 petroleiros. A União Europeia impõe quotas mínimas de inspecção de 25 por cento dos navios acostados num porto. Também estabelece uma lista negra de navios assim como de pavilhões de conveniência.

São países que autorizam os barcos de proprietários estrangeiros a colocarem-se sob jurisdição local, laxista e barata. 60 por cento da frota mercante mundial recorre a este esquema