Última hora

Última hora

China: Presidente Hu Jintao visita região devastada pelo sismo

Em leitura:

China: Presidente Hu Jintao visita região devastada pelo sismo

Tamanho do texto Aa Aa

Beishuan, uma cidade fantasma e em escombros como várias outras que desapareceram do mapa com a força do sismo que abalou a China.

Não pára de aumentar o número de vítimas do terramoto que atingiu a China no início da semana. O número de mortos confirmados já ultrapassou os 22 mil, mas as autoridades estimam que mais de 50 mil pessoas possam ter perdido a vida.

4 dias depois da catástrofe, o presidente chinês chegou à zona mais afectada pelos abalos de terra passadas que estão as primeiras 72 horas em que a possibilidade de resgatar sobreviventes do sismo é maior.

Hu Jintao qualificou de “árduo” o trabalho das equipas de resgate que lutam contra o tempo para encontrar mais pessoas com vida.

O sismo de segunda-feira teve epicentro na província de Sichuan e foi de magnitude 7.9 na escala de Richter. As réplicas, que continuam a sacudir o país, chegam a ser de 5.9 na escala de Richter.

No meio dos escombros, as equipas de socorro conseguiram resgatar com vida dois bebés que estiveram mais de 80 horas soterrados. A catástrofe natural, a maior desde do terramoto de 1976 que fez pelo menos 300 mil mortos, acontece a menos de 3 meses de Pequim receber os Jogos Olímpicos.

Os militares foram requisitados para as operações e tentam, com a maior celeridade possível, fornecer viveres aos sobreviventes.

Um inquérito vai ser aberto para esclarecer porque é que muitas escolas e hospitais não resistiram ao sismo ao contrário da maioria dos edifícios da administração pública que ficaram de pé.