Última hora

Última hora

Cimeira UE-América Latina e Caraíbas abriu em Lima

Em leitura:

Cimeira UE-América Latina e Caraíbas abriu em Lima

Tamanho do texto Aa Aa

“Soluções, planeamento e metas concretas” em vez de “meras declarações” são as expectativas do presidente do Peru. Alan Garcia é o anfitrião da Cimeira União Europeia-América Latina e Caraíbas. Meia centena de chefes de Estado e de governo dos dois blocos estão reunidos na capital peruana.

Juntos, têm como missão encontrar soluções para problemas como as alterações climáticas, o tráfico de droga, a pobreza, a imigração e a actual crise alimentar.

As relações económicas serão também discutidas. Juntos, os dois blocos representam mil milhões de pessoas, relembrou o presidente do Peru. A Europa é o segundo parceiro comercial da América Latina e das Caraíbas, embora no sentido inverso, o bloco americano represente apenas seis por cento das exportações europeias.

A Cimeira, rodeada de um forte dispositivo de segurança, assegurado por 35 mil polícias, realiza-se a cerca de 20 quilómetros de um enorme bairro de lata. A América Latina é a região do mundo com as maiores desigualdades sociais – uma situação agravada com o aumento dos preços da alimentação. O presidente do Peru propôs um aumento de dois por cento da produção agrícola. O suficiente, estima, para fazer face à actual crise alimentar.

Mas Lima é também uma das cidades mais poluídas do mundo. Um cenário ideal para lançar o programa Euroclima, uma parceria entre os dois blocos para fazer face à poluição e às mudanças climáticas.

Aliás, foi na capital do Peru que foi criado o primeiro purificador de ar. Uma invenção que os engenheiros peruanos que o criaram esperam poder exportar para outras metrópoles afectadas pela poluição.