Última hora

Última hora

Alerta de inundações na zona mais afectada pelo sismo na China

Em leitura:

Alerta de inundações na zona mais afectada pelo sismo na China

Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades chinesas ordenaram a evacuação da cidade de Beichuan, no sudoeste do país, ameaçada pela subida das águas de um rio nas proximidades. Até ao momento não há detalhes sobre as causas que levaram ao alerta de inundações, na cidade localizada no epicentro do sismo devastador de segunda-feira.

Há dias as autoridades chinesas tinham reconhecido que o tremor de terra poderia ter danificado cerca de 500 barragens na região. Nos últimos dias os sismólogos chineses registaram mais de 143 réplicas do sismo.

A evacuação de Beichuan, ocorre num momento em que o saldo de vítimas confirmadas aumentou para 28 mil mortos, podendo atingir mais de 50 mil. O primeiro-ministro chinês admitiu mesmo que possa ultrapassar as 130 mil vítimas do terramoto de 1976. Só na cidade de Deyang calcula-se que mais de 20 mil pessoas terão morrido e que milhares se encontram ainda sob os escombros.

Rússia, Taiwan, Coreia do Sul e Singapura enviaram equipas de resgate para as zonas sinistradas. Um responsável russo afirma que tem ainda esperança de encontrar sobreviventes: “Na Índia salvámos pessoas que se encontravam há sete dias sob os escombros”.

Os esforços das equipas de salvamento contrastam com as críticas da população à falta de resistência dos edifícios públicos que foram totalmente devastados. Sob os escombros do sismo surge uma China pobre, distante do crescimento económico e minada pela corrupção dos governos regionais.