Última hora

Última hora

Indonésia deixa OPEP

Em leitura:

Indonésia deixa OPEP

Tamanho do texto Aa Aa

A Indonésia saíu da OPEP. O país, único representante do Sudeste Asiático no cartel dos exportadores do petróleo, deixou a organização. Isto porque, neste momento, importa mais do que exporta.

A produção de petróleo no país caíu cerca de metade em relação ao nível máximo, atingido há 31 anos.

O ministro da Energia, Purnomo Yusgiantoro, assinou o decreto que retira a Indonésia da OPEP. Justificou a decisão com o facto do país ser agora mais consumidor do que produtor e a OPEP ser uma rede de países exportadores.

Com esta retirada, a Indonésia poupa dois milhões de euros por ano, a quota que é preciso pagar para ser membro da OPEP. Sai a Indonésia, entram Angola e Equador, os dois últimos países a juntar-se ao cartel.

Enquanto a OPEP produziu, no ano passado, 31 milhões de barris diários, a Indonésia ficou-se pelos 880 mil.

O total dos países do cartel teve uma receita de 435 mil milhões de euros com o petróleo. A Indonésia perdeu 2,6 mil milhões.

A Indonésia entrou para a OPEP em 1962 e há três anos que estava a ponderar saír. O ministro da Energia diz que o país pode regressar, se o nível de produção aumentar, e diz ainda que não está contente com os actuais preços do petróleo. O país importa um terço do petróleo que consome.