Última hora

Última hora

Tocha olímpica ameaçada por protestos nacionalistas dos ouigures

Em leitura:

Tocha olímpica ameaçada por protestos nacionalistas dos ouigures

Tamanho do texto Aa Aa

Está longe de ser suave o percurso dos próximos dias da chama olímpica pela antiga rota da seda, no extremo ocidente da China.

As autoridades restringiram o acesso da população ao trajecto da tocha nas principais localidades da província do Xinjiang, temendo ataques de grupos separatistas muçulmanos.

A província, também conhecida por Turkestão Oriental é habitada por uma minoria de 8 milhões de turcófonos de etnia uigure, que à semelhança do Tibete aspiram à independência da região considerada como o berço do Islão na China.

Nos últimos dias as autoridades aconselharam a população a permanecer em casa durante a passagem do cortejo olímpico. Pelo menos 5 mil pessoas terão sido detidas ou expulsas do território.

Um residente de Kashgar afirma que gostaria de assistir à passagem da chama olímpica mas não sabe ainda se terá essa oportunidade. “Como não me inscrevi numa unidade de trabalho não sei ainda se vou ter um passe para aceder ao cortejo”.

As autoridades chinesas temem um atentado dos separatistas uigures, que acusou este ano de organizar duas acções terroristas, uma das quais com um avião de passageiros.

Como no Tibete, a população queixa-se de marginalização face ao afluxo em massa de cidadãos chineses nos últimos anos e de não beneficiarem da exploração das jazidas de petróleo da região.

Rebyia Kadeer, activista dos direitos dos uigures, refugiada nos Estados Unidos afirma que milhões de chineses migraram para a província, retirando a terra e o trabalho à população local.

O trajecto da tocha olímpica anuncia-se assim longe dos objectivos de Pequim de sublinhar a unidade nacional do país, mesmo com os activistas ocidentais a milhares de quilómetros e os jornalistas confinados aos hotéis.

No Sábado, a chama deverá atravessar o Tibete, palco de violentas manifestações pró-independentistas em Março e cuja situação continua a pairar como uma núvem negra sobre a festa chinesa dos jogos olímpicos.