Última hora

Em leitura:

Família do último Czar da Rússia reunida


mundo

Família do último Czar da Rússia reunida

Esta não é uma igreja qualquer, é a Igreja do Sangue Derramado, contruída precisamente no mesmo lugar onde há 90 anos o Czar Nicolau II, a sua família, o médico e três criados foram mortos por balas bolcheviques. As comemorações começaram no princípio da semana com a presença de membros da família imperial.

Nicolau II tinha apenas 26 anos quando subiu ao trono. Sabia pouco sobre como governar o império. Em 1904, é com Nicolau II que a Rússia entra em guerra com o Japão. O resultado foi desastroso. A aventura internacional saiu cara ao Czar que viu a sua autocracia ficar em xeque com a primeira guerra mundial. Na duma, a cólera subiu de tom, a revolução bolchevique estalou e o regime imperial conheceu o fim.

A família do Czar foi detida em Março e foi transferida um mês depois para Yekaterinburg, a última morada do imperador, da sua mulher e de cinco filhos, entre eles o príncipe de 14 anos.

Na véspera das comemorações dos 90 anos do massacre, a família imperial está de novo unida. Os restos mortais encontrados no ano passado foram identificados graças a análises ADN como sendo do herdeiro ao trono e de uma das irmãs.

Os corpos dos outros cinco membros da família foram descobertos numa vala comum perto de Yekaterinburg em 1991. Só foram oficialmente identificados pelo governo russo sete anos depois.

A iniciativa coube a Boris Ielsin, na altura presidente, que decidiu fazer os funerais com pompa e circunstância na antiga capital dos Czares, São Petersburgo. Dois anos mais tarde, Nicolau II foi canonizado pela igreja ortodoxa por ter perdido a vida como mártir, uma perspectiva que continua a ter muitos adversários em Moscovo.

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Honras de Estado no Líbano para os 5 militantes do Hezbollah libertados por Israel