Última hora

Em leitura:

Construtores aeronáuticos conseguem encomendas acima do previsto em Farnborough


empresas

Construtores aeronáuticos conseguem encomendas acima do previsto em Farnborough

Apesar da conjuntura mundial pouco favorável, os construtores aeronáuticos conseguiram resultados melhores do que o esperado, no Salão Internacional de Farnborough.

Os dois principais concorrentes, a Boeing e a Airbus receberam esta semana encomendas para 444 aviões (197 para o construtor americano e 247 para o europeu), num valor de mais de 61 mil milhões de euros.

O céu ainda tem nuvens, mas as previsões não são assim tâo catastróficas, como explica o chefe executivo de operações e clientes da Airbus, John Leahy: “Este continua a ser um ano forte para a venda de aviões, apesar dos preços dos combustíveis e apesar de haver transportadoras a perder dinheiro com a subida dos preços. A razão é que as transportadoras continuam a substituir os aviões antigos. Hoje em dia, há cerca de 16 mil aviões de 100 ou mais lugares a viajarem pelo mundo. 3 mil deles usam tecnologias mais antigas e têm mais de 20 anos. As transportadoras aéreas têm de os substituir rapidamente, numa altura em que o petróleo atinge os 140 dólares por barril”.

Para o construtor europeu, há mais um inconveniente. A taxa de câmbio entre o euro e o dólar é neste momento, muito desfavorável.

“Quaisquer 10 cêntimos que o dólar enfraquece ou o euro fortalece, significam mil milhões de euros por ano, no fim da produção. Isto dignifica que todos devem encontrar formas de reduzir os custos em todo os domínios e comprar mais componentes em dólares”, declarou John Leahy
.
A semana de negócios em Farnborough termina com um balanço bem menos pessimista do que se previa no início. E agora, durante o fim-de-semana, é a vez do grande público se deslumbrar com os aviões de ontem e de hoje.

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

empresas

Alemanha quer parceria energética com a Argélia