Última hora

Em leitura:

AKP não vai ser dissolvido


Turquia

AKP não vai ser dissolvido

Uma vitória para o AKP. Por um voto, o tribunal Constitucional da Turquia rejeitou o pedido de dissolução do partido islâmico moderado no poder em Ancara desde 2002.

O governo já reagiu afirmando que a decisão do tribunal “é uma vitória da democracia”.

O partido da Justiça e do Desenvolvimento, de que fazem parte o presidente Abdullah Gul e o primeiro-ministro Tayyip Erdogan, vai mesmo assim ser alvo de penalizações financeiras, segundo informou o juiz presidente do tribunal constitucional.

Para além de multas a alguns dirigentes, o AKP vai deixar de receber ajudas estatais.

Os 11 juízes estiveram reunidos desde segunda-feira a deliberar sobre o pedido de dissolução do Partido da Justiça e do Desenvolvimento, acusado de “actividades anti-laicas”.

O AKP nasceu das cinzas de várias formações políticas islâmicas dissolvidas no início do século.

Ao final de 3 dias de reuniões, apenas 6 dos 11 juízes se mostraram favoráveis a interdição do AKP, faltou mais um voto para que se iniciasse o processo de dissolução.

O AKP, que venceu as eleições legislativas de Julho do ano passado com quase 50% dos votos, tem negado sempre estar a procurar impor a lei islâmica num país que é laico desde a sua fundação por Kemal Ataturk.

Saiba mais:

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Turquia