Última hora

Última hora

Morreu autor de "O arquipélago de Gulag"

Em leitura:

Morreu autor de "O arquipélago de Gulag"

Tamanho do texto Aa Aa

Morreu um dos maiores críticos do regime soviético.

Alexander Solzhenitsyn faleceu, este domingo, ao 89 anos de idade vítima de um ataque cardíaco.

O escritor russo ficou conhecido por ter denunciado as atrocidades praticadas pelo regime comunista. Uma realidade retratada em obras como “o Arquipélago de Gulag.”

Integrou o Exército Vermelho durante a Segunda Guerra Mundial, mas depressa se tornou um dissidente.

Foi perseguido pelo regime soviético, preso e enviado para campos de trabalhos forçados.

Uma experiência que inspirou obras como “Um Dia na Vida de Ivan Denissovich” que conta a história de um companheiro nos campos de trabalhos forçados da Sibéria.

“O Pavilhãos dos Cancerosos”, e “O Primeiro Círculo”, tiveram de ser publicados clandestinamente.

Em 1970 recebe o Nobel de literatura.

As obras foram consideradas um ataque ao regime soviético. Quatro anos mais tarde Solzhenitsyn perdeu a nacionalidade e foi expulso da antiga URSS, acusado de traição à pátria.

O regresso à Rússia ocorreu 20 anos mais tarde, após o fim da União Soviética.

Solzhenitsyn passou, então, a escrever sobre a história e identidade russa. A forma como apontou o dedo à corrupção no país e aos valores da rússia pós-comunista voltaram a incendiar os ânimos da sociedade.

O escritor foi um dos maiores críticos da forma como a Rússia fez a transição para o capitalismo.

Surpreendeu tudo e todos ao aprovar a segunda guerra na Tchetchénia pedindo a pena de morte para os independentistas.

Mais tarde aproximou-se do então Presidente, Vladimir Putin, louvando publicamente as qualidades do chefe de Estado.