Última hora

Última hora

Economia, arena das presidenciais americanas

Em leitura:

Economia, arena das presidenciais americanas

Tamanho do texto Aa Aa

A crise das hipotecas de risco afectou de tal modo o mercado imobiliário nos Estados Unidos que 14 por cento dos americanos não conseguem pagar as dívidas, mesmo que vendam tudo o que têm.

Os imóveis continuam a desvalorizar-se e a crise acaba de fazer uma vítima colateral: John McCain. Incapaz de responder instintivamente quando lhe perguntaram quantas casas tem com a mulher, tornou-se, nesse momento, alvo das críticas do rival na corrida à Casa Branca.

Barack Obama destaca que, se McCain não sabe quantas casas tem, não surpreenderá que pense que a Economia está forte.

A campanha democrata produziu, imediatamente, um vídeo publicitário, que retrata o candidato republicano às presidenciais, desconectado das dificuldades da classe média americana por ter sete casas no valor de 13 milhões de dólares.

Depois de apertarem as mãos frente às câmaras, os dois voltaram à ofensiva no terreno da economia. É, precisamente, o estado da economia que preocupa mais os americanos… mais do que a guerra no Iraque.

O preço do petróleo continua a inspirar receios quanto a novas perdas das instituições bancárias. Os mercados financeiros continuam instáveis ao ponto de a saúde da economia americana inquietar o Banco Central do Japão, que já tomou algumas medidas. O abrandamento das economias estrangeiras também tem efeitos negativos nas exportações japonesas….

A possibilidade de nacionalização dos dois maiores financiadores do crédito imobiliário americano, Fannie Mae e Freddie Mac, abalam a confiança dos eleitores no país do ultra-liberalismo.

Só estes dois garantiram 45 por cento do montante total do crédito americano. O resultado foi a queda alucinante das acções na bolsa: Freddie Mac caiu 93,7 por cento e Fannie Mae 95,3 por cento.

Bush assinou um plano de emergência, no fim de Julho, para possibilitar o renegociação dos créditos a meio milhão de americanos, mas a deterioração da situação económica continua no centro de tudo.

O candidato presidencial com mais hipóteses de sair positivamente do empate técnico das sondagens é o que provar mais capacidade em resolver os problemas económicos ad classe média americana.