Última hora

Última hora

Ajuda americana chegou à Georgia

Em leitura:

Ajuda americana chegou à Georgia

Tamanho do texto Aa Aa

O barco norte-americano com ajuda humanitária para a Georgia chegou esta quarta-feira, ao porto de Poti.

Foi recebido em ambiente de festa, mas atracou num cais secundário do Mar Negro, para evitar o confronto com as forças russas que mantem o controle do mais importante porto do país.

Uma chegada que foi antecidida de notícias contraditórias. Primeiro, o porta voz da embaixada americana em Tblissi anunicou a chegada de dois barcos de guerra. Posteriormente, o embaixador disse que se tratava apenas de um navio com ajuda humanitária.

Entretanto, mantém-se a guerra de palavras. O presidente, Mikhail Sakaashvili acusa os russos de estarem a fazer bluff e a desfiar o ocidente:

“Os russos estão a fazer bluff e estão a exagerar. Eles não têm essa força . Podem ter muito mais soldados no território que o exército georgiano que é pequeno. Nós não podemos combater os 3.000 tanques que eles têm no nosso território, de maneira nenhuma. Estão a tentar desafiar o ocidente, os americanos, muito para além das suas possibilidades”.

Do outro lado, Dmitri Medvedev tem-se desmultiplicado em declarações. O presidente russo garante que o reconhecimento das repúblicas da Ossétia do Sul e da Abcazia tem fundamento, no direito internacional:

“A única maneira de preservar aqueles povos era reconhecê-los à luz da lei internacional, reconhecer sua independência como Estado. A nossa resposta é baseada inteiramente na lei internacional, na carta da ONU, nos acordos de Helsínquia e noutros acordos internacionais”.

Um reconhecimento que tem sido assinalado com festa, nas duas repúblicas.

Turquia, Síria, Irão e Jordânia, segundo a imprensa russa, podem também reconhecer as novas repúblicas.