Última hora

Última hora

Crise no Cáucaso: ONU refém do poder de veto da Rússia

Em leitura:

Crise no Cáucaso: ONU refém do poder de veto da Rússia

Tamanho do texto Aa Aa

Parece impossível que seja a ONU a resolver a crise no Cáucaso.

Sinal da impotência das Nações Unidas, o facto do secretário-geral da organização, Ban Ki-Moon, ter enviado a sua porta-voz para se pronunciar sobre um caso que ameaça reconfigurar toda a geopolítica do Cáucaso, região rica em recursos energéticos:

“Os desenvolvimentos de hoje podem ter grandes implicações na segurança e estabilidade no Cáucaso. O secretário-geral lamenta que os esforços para encontrar uma solução de futuro para a crise na Geórgia no seio do Conselho de Segurança possam estar comprometidos”.

De facto, o Conselho de Segurança está refém do poder de veto da Rússia, que informou esta terça-feira a ONU do reconhecimento da independência das províncias separatistas da Geórgia. Algo que já era esperado depois do Ocidente ter reconhecido a independência do Kosovo.

Mais uma vez as Nações Unidas demonstram a sua incapacidade para responder aos desafios e crises do nosso tempo, uma crítica a que a União Europeia também não escapa.