Última hora

Última hora

Líbia regressa à cena internacional

Em leitura:

Líbia regressa à cena internacional

Tamanho do texto Aa Aa

O processo de reabilitação da Líbia a nível internacional teve início há quatro anos.
2004 marcou o restabelecimento das relações diplomáticas entre Tripoli e Washington, o reinício do diálogo e o fim das sanções económicas.

Kadhafi hostilizou os norte-americanos logo que chegou ao poder, em 1969, exigindo que as bases militares dos Estados Unidos fossem desmanteladas.

Logo a seguir fez outra afronta: nacionalizou o petróleo, impondo a subida do preço do barril de crude, e abrindo o caminho a outros produtores. Na mesma linha que exasperou os americanos, Khadafi apoiou ostensivamente a revolução iraniana o que levou ao isolamento total do próprio regime. A década de 80 ficou marcada pelo envolvimento líbio em vários ataques terroristas, nomeadamente numa discoteca de Berlim frequentada por militares norte-americanos, em 1986.

A resposta não tardou: a aviação norte-americana bombardeou Tripoli e Benghazi, matando 60 pessoas, uma das quais, uma filha de Kadhafi, que também foi ferido. Dois anos depois, a vingança líbia: a explosão provocada num boeing de la PanAm, quando sobrevoava a localidade escocesa de Lockerbie. Das 269 vítimas do atentado, 180 eram americanas.

Com o apoio do Conselho de Segurança da ONU, os Estados Unidos e o Reino Unido multiplicaram as pressões para obter a extradição dos principais suspeitos.

A recusa de Kadhafi em cooperar provocou um novo endurecimento nas sanções internacionais. Seguiu-se um longo braço de ferro e muitas mediações falhadas. Um tribunal especial escocês, que conduziu os trabalhos na Holanda, condenou um ex-agente do governo líbio, Abdelbaset ali Mohmed al-Megrahi, à prisão perpétua pela explosão.

En 2003, o regime de Khadafi reconheceu, numa carta enviada à ONU, a responsabilidade pelo atentado de Lockerbie, e pagou dois mil e quinhentos milhões de dólares de indemnização às vítimas.

Desposi da reabilitação, a Itália e a França foram os primeiros Estados a restabelecer as relações com a Líbia.