Última hora

Última hora

Os trabalhos de Tzipi Livni

Em leitura:

Os trabalhos de Tzipi Livni

Tamanho do texto Aa Aa

A nova líder do Kadima obteve uma vitória que já estava à espera. Da mesma forma Tzipi Livi sabe os desafios que a aguardam. Como recorda o Likoud, na oposição, Livni não foi eleita para dirigir o país mas sim para dirigir um partido e tentar reavivar uma coligação moribunda e evitar eleições antecipadas. Mas a tarefa anuncia-se difícil.

Amotz Asa-El, colunista do Jerusalem Post:
“- Ela não emerge desta eleição como uma líder nacional. Agora vai ter pela frente várias semanas de trabalho árduo para restabelecer a coligação. E quanto mais tentar, mais complexa se vai tornar. Dentro de alguns meses Israel vai ter de enfrentar eleições legislativas antecipadas.”

O Kadima conta com 29 deputados entre os 120 que compõem a Knesset. Na coligação actual participam também 19 parlamentares trabalhistas, sete do partido dos reformados, seis do partido da Torah, onze da formação russófona de extrema-direita Israel Beitenou e doze dos religiosos ultra-ortodoxos do Shass.

Uma aliança complexa com pontos de vista opostos como por exemplo na questão israelo-palestiniana. Os elementos do Shass consideram inegociável o estatuto de Jerusalém, moeda de troca indispensável para se obter a paz.

A equação revela-se complicada e Livni está longe de conseguir agradar a todos, apesar do Shass ser fundamental para manter a coligação.

Atilla Ahomfalvi, analista político:
“- Tzipi Livni tem a intenção de avançar com as negociações com os palestinianos e talvez também com os sírios. Nós sabemos que Livno não gosta muito do que tem estado a ser cozinhado com a parte síria mas com os palestinianos ela tem liderado as negociações e estou certo e seguro que ela vai prosseguir com esse dossier.”

O processo de paz israelo-palestiniano é um dos dossiers-chave no qual Livni está implicada. O seu empenho nas negociações suscita uma grande esperança. Mas ela terá de contar também com as mudanças que se avizinham na administração americana e o fim das cumplicidades actuais com a chegada duma nova equipa à Casa Branca.