Última hora

Última hora

Contagem decrescente para a Alitalia

Em leitura:

Contagem decrescente para a Alitalia

Tamanho do texto Aa Aa

O governo italiano dá o tudo por tudo para evitar a falência da Alitalia, depois dos sindicatos terem chumbado o plano de recuperação da companhia aérea.

O consórcio empresarial que se mostrou disposto a avançar com mil milhões de euros para comprar a companhia aérea italiana abandonou as negociações.

O primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, que fez da Alitália uma bandeira de campanha, garante não ter desistido da transportadora, que acumula mais de mil milhões de euros em dívidas.

A situação que já era difícil e complicou-se com a saída de cena do consórcio italiano.

Dificuldades que vários passageiros acreditam ser possível ultrapassar:

“O nosso voo não foi cancelado e espero pelo melhor. A Alitália faz parte da cultura italiana e é uma companhia que tem de sobreviver e seguir em frente.”

Opinião diferente tem outro passageiro:

“A situação é má. Acredito que poderiam ter resolvido a questão com a Air-France e isto vem, na minha opinião, comprovar a ineficiência do governo.”

Em Dezembro, o conselho de administração da Alitalia elegeu o grupo franco-holandês Air France-KLM como candidato preferencial para a aquisição da companhia italiana.

Uma posição que não convenceu o Governo, ainda que o número de trabalhadores a perder o emprego fosse inferior, quando comparado com a última proposta.

Em caso de falência, a Alitalia seria a primeira das maiores companhias aéreas a falir desde 2001.