Última hora

Última hora

Extrema-direita incontornável na formação do próximo governo austríaco

Em leitura:

Extrema-direita incontornável na formação do próximo governo austríaco

Tamanho do texto Aa Aa

A extrema-direita ganha terreno na Áustria, depois de obter nas eleições antecipadas de domingo o melhor resultado de sempre: 30% dos votos do eleitorado.

Um golpe duro para Sociais-Democratas e Conservadores que prosseguem uma travessia no deserto, agravada pela ruptura de 18 meses de coligação.

Os dois partidos poderão ter de apelar aos sulfurosos, Heinz Christian Strache ou Jorg Haider, para obter uma maioria no parlamento.

Os resultados provisórios do sufrágio atribuem uma vitória aos sociais-democratas do SPÖ com 29,7%, apenas mais 4% que os conservadores do ÖVP. O partido da liberdade de Stracher, o FPÖ, conquistou o terceiro lugar no espectro político ao defender uma política de imigração mais restritiva, a luta contra a inflação ou o desemprego.

Para os sociais-democratas de Werner Faymann a catastrófica experiência da coligação com a extrema-direita, em 2000, levou o partido a rejeitar reeditar a aliança, embora continue aberto a um acordo com os conservadores.

“Eu continuo a rejeitar uma coligação quer com o BZÖ quer com o FPÖ, mas sempre disse que quero um governo estável que possa mostrar aos cidadãos que temos necessidade de uma base de apoio alargada se queremos defender os jovens, a segurança social para os idosos e se queremos fazer avançar o país”.

O presidente austríaco vai incumbir Fayman das negociações para formar um novo governo. Os Sociais-Democratas não excluem a possibilidade de governar em minoria, uma decisão arriscada que poderá voltar a adiar as reformas económicas urgentes no país.