Última hora

Última hora

Novas linhas directoras para os jogos 'online' protegem mais jovens

Em leitura:

Novas linhas directoras para os jogos 'online' protegem mais jovens

Tamanho do texto Aa Aa

“Kindergarten Killer” (“Assassino do Jardim Infantil”, numa tradução literal) é um jogo de vídeo tão violento que foi retirado de um ‘site’ finlandês onde estava alojado pelos próprios gestores do sítio. Uma medida tomada após, a semana passada, um homem de 22 anos ter morto 10 jovens numa escola profissional finlandesa.
A violência nos jogos e a forma de proteger os mais jovens estão no centro das novas linhas directoras para os jogos interactivos ‘online’, agora apresentadas pelo Conselho da Europa (CoE).
Jan Kleijssen, director de Actividades Normativas do CoE explica: “As linhas directoras recomendam que os produtores e vendedores de jogos violentos forneçam uma classificação. Por exemplo, os jogos deviam ter, como os filmes, um sistema de classificação para maiores de 18, 16 ou 14 anos. E os produtores devem também garantir que o conteúdo não seja violento a ponto de se tornar ilegal.”

As linhas directoras foram preparadas em estreita cooperação com os fornecedores de acesso internet e a Federação Europeia de Software Interactivo. “O sistema permitirá ao público, fazer a distinção entre os editores responsáveis, face aos menores, e os que o são menos. É o preço a pagar para ser um editor responsável. Os jogos são conteúdos e, como todos os conteúdos, é preciso saber se temos em conta o impacto que podem ter sobre os menores ou sobre os direitos do Homem, ou se queremos apenas vender jogos”, defende Patrice Chazerand, secretário-geral da federação.

Os editores de jogos interactivos estão conscientes que a representação gratuita da violência pode ter efeitos no desenvolvimento dos jovens. E novo texto, embora não tenha carácter vinculativo, poderá ter efeito em todos os 47 países membros do Conselho da Europa.