Última hora

Última hora

Primeiro "round" a favor de Obama

Em leitura:

Primeiro "round" a favor de Obama

 Primeiro "round" a favor de Obama
Tamanho do texto Aa Aa

Barack Obama saiu vencedor do debate contra o seu o seu adversário à Presidência dos EUA John McCain de acordo com várias sondagens publicadas hoje.

O impacto da economia sobre a classe média norte-americana foi um pontos principais da batalha, apesar de ambos os candidatos terem dado respostas tranquilizadoras às familias que temem perder as suas poupanças.

“Estamos perante a maior crise desde a Grande Depressão e acredito que este é o veredicto final das deficientes políticas económicas conduzidas nos últimos oito anos, fortemente promovida pelo presidente Bush e apoiada pelo Senador McCain”, disse Obama.

Como proposta o democrata sugeriu cortar gastos, o republicano aposta na renegociação das hipotecas para resolver o problema.

“Actualmente, nós não temos confiança e segurança nas nossas instituições – disse John McCain. – Mas nós vamos renegociar as hipotecas, o tesouro pode fazer isso. E essa não é uma proposta de Obama, nem de Bush. É uma proposta minha – explicou.

Só na última meia hora do debate – que teve 90 minutos – a política externa fez a sua aparição.

E foi nesta hora que os candidatos entraram em confronto verbal mais directo.
McCain acusa Obama de ter “ideias tão consistentes como a gelatina”, Obama responde que McCain “fala como um compoio expresso que perdeu uma roda”.

Sempre crítico em relação à guerra do Iraque, o candidato democrata classificou de “erro de avaliação” a guerra do Iraque o seu adverasário responde: “O senador Obama enganou-se sobre o Iraque, enganou-se sobre a Rússia quando atacou a Georgia. Da sua curta carreira ele não sabe nada de segurança nacional”.

O palco da Universidade de Belmont, em Nashville, Tennessee, foi ocupado por 80 eleitores, sendo a maioria de indecisos ou de eleitores registrados como independentes.

O último debate entre presidenciáveis acontecerá em 15 de outubro na Universidade Hofstra, em Hempstead, no estado de Nova York, 20 dias antes das eleições de 4 de novembro.