Última hora

Última hora

Irmã Emmanuelle: Fim de uma vida dedicada aos pobres

Em leitura:

Irmã Emmanuelle: Fim de uma vida dedicada aos pobres

Irmã Emmanuelle: Fim de uma vida dedicada aos pobres
Tamanho do texto Aa Aa

Após uma vida de acção a favor dos pobres, foi tranquilamente que irmã Emmanuelle se despediu da vida. A defensora dos desfavorecidos faleceu na madrugada passada, no lar de Caillan, no Sul de França. A 16 de Novembro completava cem anos.

O funeral terá lugar quarta-feira na intimidade da congregação.

Irmã Emmanuelle, ou Madeleine Cinquin, nasceu na Bélgica no seio de uma família franco-belga. O pai era judeu. A mãe cristã.

A vida religiosa começou aos 20 anos com a entrada na Congregação de Nossa Senhora de Sion, apesar da oposição materna. Seguiram-se anos de ensino na Turquia, Tunísia e Egipto, antes de se dedicar a acções a favor dos pobres. A princípio nos nos bairros de lata do Cairo. No final em todo o Mundo, através da fundação que criou.

Segundo o Vaticano, a sua acção era comparável à de madre Teresa de Calcutá, mas o reconhecimento chega também de outras religiões e do Estado francês, que, em 2002, lhe atribuiu a medalha da Legião de Honra.

Para a posteridade fica ainda o seu entusiasmo e frontalidade, à semelhança do falecido Abade Pierre com o qual partilhava o título de figura mais popular entre os franceses.

Sem medo de microfones e das câmaras de televisão, irmã Emmanuelle defendia a contracepção e o fim do celibato dos padres, falava sem dificuldades das crises de fé e chegou a pedir ao Vaticano que vendesse todas as riquezas.

Quando lhe pediam que definisse vida e morte, respondia: “Viver é agir” e “a morte é a hora do reencontro para os que souberam amar”.